O programa de estudos do site Deus Ateu surge para, na prática, investigar a tradição e a modernidade por meio de uma experiência horizontal e coletiva.

Reunir profissionais, pesquisadores e pesquisadoras em geral, ao redor das principais questões levantadas por algumas das nossas editorias é o nosso objetivo com o surgimento desta nova aba do site, inicialmente especializado em tratar da cultura de modo dinâmico e abrangente.

O repertório de cada inscrito, seja enquanto orientador, orientadora ou participante, de modo subjetivo, funcionará enquanto fonte transdisciplinar capaz de ampliar e renovar o olhar coletivo perante fenômenos conhecidos ou desconhecidos pelas áreas investigadas.

Com isso, a proposta do Deus Ateu é garantir que os espaço de aprendizagem digital alcance da melhor forma a experiência da troca didática; sendo assim, diante das mais diversas possibilidades de interação, decidimos pela utilização de uma plataforma que fosse capaz de transformar palestras em diálogos. 

Atravessamos os diversos campos da linguagem com esta proposta formativa, e acreditamos que este modelo de ensino e troca dará melhor continuidade às nossas ações permanentemente inscritas na produção e fomento de novas escrituras.

Será um prazer ensinar e aprender com você.

Bem-vindo ou bem-vinda ao Deus Ateu.

Bons estudos!

A cantora careca de Ionesco e Massin

Ementa:

Trata de teorias, histórias e conceitos para a formulação de um conhecimento crítico do design contemporâneo. Busca aprofundar a compreensão deste contexto, enfocando a expansão do design gráfico quanto a sua produção por meio de uma perspectiva analítica, interrogativa e interdisciplinar.

Os estudos irão girar em torno de artigos, capítulos de livros e projetos de design, por meio de autores como Rafael Cardoso, Beatrice Warde, Flavio Vinicius Cauduro e Maristela Ono, o grupo discute teorias e conceitos modernos e contemporâneos sobre o design gráfico. Juntamente aos textos projetos editoriais contribuem para toda discussão. A cantora careca de Massin e LULULUX de Gustavo Piqueira são elaborações concretas e históricas que iremos investigar ao longo de todo o processo.

Encontros terças-feiras das 19hrs às 21hrs

01. Design, cultura material e o fetichismo dos objetos – Rafael Cardoso (04/05)

02. Design, cultura E identidade, no contexto da globalização – Maristela Misuko Ono (18/05)

03. A taça de cristal e a impressão deve ser invisível – Beatrice Warde (01/06)

04. Design gráfico como linguagem visual. A cantora careca – Ionesco e Massin (15/06)

05. Design gráfico e pós-modernidade: Conceitos, teoria e prática – Flávio Vinicius Cauduro (29/06)

06. Os limites do livro impresso. LULULUX – Gustavo Piqueira (13/06)

________________________________________

Um retrato do capital: o homem enquanto objeto de fetiche mercadológico

Ementa:

O objetivo do grupo de estudos a respeito de uma leitura crítica do capitalismo feita pela psicanálise, se orienta pela urgência diagnóstica e teórica dos efeitos da estrutura capitalista – também aqui recortada como neoliberal – no psiquismo contemporâneo. Como explicar os altíssimos indicies de ansiedade, depressão e suicídio de nosso tempo? De que modo assimilar as “novas” formas de sofrer? (Histeria masculina, Transexualidade, borderline, etc.)

Para isso, estudaremos com quatro autores principais: o escritor francês Guy Debord, o filosofo francês Dany-Robert Dufour, o sociólogo alemão Herbert Marcuse, e o psicanalista brasileiro Cristian Dunker. Os quatro estudiosos, com escritas diferentes em tempos distintos, contribuem de uma forma meticulosa para uma investigação profunda desse sistema que deixou de ser apenas uma estrutura de produção econômica, para se tornar um sequestrador e ditador da subjetividade humana.

Encontros quintas-feiras das 17hrs às 19hrs

01. Eros e Civilização – A origem do Indivíduo reprimido. (06/05)

02. Eros e Civilização II – A origem da Civilização repressiva. (20/05)

03. A Sociedade do Espetáculo: Tempo e história. (03/06)

04. A Cidade Perversa: Existe perversão social? Somos perversos? (17/06)

05. Neoliberalismo como gestão do sofrimento psíquico: O poder como o controle da gramática do sofrimento humano. (01/07)

06. Neoliberalismo como gestão do sofrimento psíquico II: A hipótese depressiva – Por que há tantos transtornos? Um olhar sobre o borderline. (15/07)

________________________________________

David (Michelangelo) (versão Vaporwave) – @millennialpink

Ementa:

O nascimento da tragédia representa não só o nascimento do teatro no ocidente, mas também o surgimento da representação da vida e do mundo enquanto elemento imprescindível para nossa cultura.

Dos Antigos Gregos à Hollywood – revela um fator essencial em nossa existência enquanto seres de cultura: a necessidade de contarmos e recontarmos histórias para construirmos narrativas que possam, cada vez mais, produzir significados capazes de nos orientar diante de um mundo potencialmente sem significado algum.

Essa necessidade é apenas o pano de fundo que aproxima um texto dramatúrgico de mais de 2.000 anos de uma sequência de filmes modernos que têm influenciado gerações.

A análise do Édipo de Sófocles e das principais estruturas do cinema no ocidente, sobretudo em Hollywood, possibilita uma imersão no universo da narrativa sob uma perspectiva histórica, que se desdobra na reflexão da sua função enquanto agente político e espiritual de uma coletividade.

Para investigarmos a essência do contar histórias, partimos de uma base comum às artes, ao campo da psicanálise e da filosofia nestes 6 encontros.

Encontros quartas-feiras das 19hrs às 21hrs

01.    O nascimento da tragédia (contexto histórico e cultural). (05/05)

02.   O Édipo de Sófocles. (19/05)

03.   O poder do mito e outras ideias de J. Campbell. (02/06)

04.   Édipo e outras personagens do teatro, da literatura e do cinema. (16/06)

05.   Um olhar nietzschiano. (30/06)

06.   Tragédia à brasileira. (14/07)