,Esperando o Gordo (O natal no jardim de Beckett)

Por Sérgio Roveri com ilustrações de Junior Santos e Fernanda Moreira

Junior Santos especial para o Deus Ateu
Junior Santos especial para o Deus Ateu

Cenário árido. Apenas uma árvore no centro do palco. Dois homens sentados debaixo dela. Homem 1 levanta-se e olha para o Oeste.

Homem 1: O sol…

Volta a se sentar

Homem 1: … já se pôs.

Homem 2 tira um dos sapatos, levanta-se e caminha pelo palco, olhando cuidadosamente para o chão. Retorna.

Homem 2: Nada de grama. Nada.

Homem 1: Vamos embora.

Homem 2: Não podemos.

Homem 1: Ele não vem mais.

Homem 2: Preciso encher o sapato de capim.

Homem 1 (olhando para o chão): Nada de grama. Nada.

Homem 2: As renas vão chegar com fome.

Homem 1: Que horas são?

Homem 2: Elas vão querer capim quando passarem por aqui. Elas precisam de capim.

Homem 1: Precisam?

Homem 2: Para continuar a viagem.

Homem 1: Mas não temos.

Homem 2: Eu sei.

Homem 1: Então vamos embora.

Homem 2: Não podemos. Estamos esperando.

Homem 1 retira do paletó um enfeite de natal, no formato de uma estrela de Belém, e o pendura em um dos galhos da árvore. Homem 2 levanta-se, vai até a árvore, retira o enfeite e o pendura do outro lado.

Homem 2: É deste lado que ele virá.

Homem 1 retira o enfeite e o pendura novamente, agora no topo da árvore

Homem 1: Se ele vier, virá de cima.

Homem 2: Precisamos de capim. Vamos procurar.

Homem 1: Não podemos sair daqui. Estamos esperando.

Homem 2: Sei.

Homem 1: No ano passado ele não veio.

Homem 2: A árvore era muito pequena no ano passado. Talvez ele tenha vindo e não a viu. Nós mesmos quase não a vimos.

Homem 1: O que precisamos é de um pouco de capim.

Homem 2: As renas…

Homem 1: Vou ver se ele está chegando (sai de cena).

Homem 2 fica no palco, segurando o sapato vazio nas mãos. Homem 1 retorna.

Homem 1: Ele veio?

Homem 2: Não.

Homem 1: Não encontrei capim.

Homem 2 levanta-se, arranca algumas folhas da árvore e as coloca no sapato. Deixa o sapato em um canto.

Homem 1: Como é este homem que estamos esperando?

Homem 2: Ele vem todo ano nesta mesma noite.

Homem 1: Onde?

Homem 2: Como assim, onde?

Homem 1: Onde ele vem?

Homem 2: No mundo inteiro.

Homem 1: Até aqui?

Homem 2: Deveria. Por isso estamos esperando

Homem 1: Mas já é noite e ele não veio. Então podemos ir.

Homem 2: Não podemos.

Homem 1: Eu sei, estamos esperando.

Homem 2: Até onde você foi?

Homem 1 (apontando): Lá.

Homem 2: E ele já passou por lá?

Homem 1: Não sei.

Homem 2: Você não perguntou?

Homem 1: Não encontrei ninguém.

Homem 2 levanta-se e muda a árvore de lugar. Coloca-a na frente do palco.

Homem 2: Quando a lua nascer, vai iluminar primeiro aqui.

Homem 1: Empurra mais para lá. (Homem 2 obedece). Agora para trás. Assim.

Homem 2 (cansado): Pronto.

Homem 1: E agora, podemos ir?

Homem 2: Ainda não.

Personagens sentam-se em um canto do palco. Entra um menino, que para bem no centro, onde estava a árvore.

Menino: Devia haver uma árvore aqui.

Homem 1: Ela está ali.

Menino: Eu tenho um recado para dois homens.

Homem 1 e 2: Somos nós.

Menino: Para dois homens que deveriam estar debaixo de uma árvore. A árvore tinha de estar bem aqui.

Homem 2: Somos nós.

Homem 1: Nós só nos mexemos um pouco.

Menino: Mas o senhor que me mandou dar o recado foi muito claro. Ele disse que eu deveria procurar dois homens que estariam debaixo de uma árvore. Bem aqui

Os dois homens sentam-se debaixo da árvore. Menino caminha até eles.

Menino: Ele pediu para avisar que só virá amanhã.

Homem 2: Mas ele tem de vir hoje. No mundo inteiro é a noite de hoje.

Homem 1: Desde o ano passado que nós sabemos que tem de ser esta noite.

Menino: Ele só pediu para dar o recado.

Menino sai de cena. Homem 1 vai até a árvore, retira o enfeite e o guarda no bolso.

Homem 1: Como é mesmo este homem que estamos esperando?

Homem 2: Amanhã. Ele virá amanhã.

Homem 1: Então saberemos como ele é?

Homem 2: Dizem que o mundo inteiro sabe como ele é.

Homem 1: Menos nós?

Homem 2: Menos nós.

Homem 1: Amanhã saberemos?

Homem 2: Amanhã.

Fernanda Moreira especial para o Deus Ateu
Fernanda Moreira especial para o Deus Ateu

Agradecemos pela leitura de nosso conto.

,Sobre o autor:

Sérgio Roveri é um dos nomes mais importantes do nosso teatro recente. Vencedor dos prêmios Funarte de Dramaturgia, Cidadania em Respeito à Diversidade, Diversidade e Cidadania e Shell, Roveri é também um criativo roteirista. Biógrafo de Gianfrancesco Guarnieri e também jornalista com longa experiência cultural, Roveri é certamente um dos mais montados e marcantes dramaturgos do teatro brasileiros. É jornalista, dramaturgo, roteirista e contista.

Instagram: @sroveri

Sobre os ilustradores:

Junior Santos é um artista visual multimídia, artista plástico, ilustrador e quadrinista. É formado em cinema pela Verzini Filmes. Na sétima arte, atuou no longa metragem “A Pequena B” aos 20 anos e posteriormente dirigiu e produziu curtas-metragens. Junior ilustrou diversos livros quadrinhos e contos. Em meio a tantos projetos, lançou dois quadrinhos de forma independente: “A Rua da Luz Vermelha (2018)” e “Eu Te Vejo (2019)” e atualmente trabalha no mercado independente de quadrinhos norte-americano. Já teve obras expostas em São Paulo, Grécia, Portugal e Estados Unidos, onde estão sendo cuidadas por colecionadores e galeristas. Atualmente é artista visual da Exílio Galeria, Aeon Gallery e DOMI Galeria. Junior é um colaborador frequente do Deus Ateu.

Instagram: @juniorsantti

Fernanda Moreira (20) é artista conceitual, ilustradora e quadrinista natural de Pelotas, Rio Grande do Sul. Amante de temáticas fantásticas e épicas, sua área de enfoque. Atualmente é estudante no curso de Cinema da Animação na UFPel.

Em 2019, Fernanda começou a desenvolver ADENTRO, uma série em quadrinhos autoral da qual a inseriu de vez no mundo da arte. Desde então, vem criando e participando de diversos projetos, tais como: Amicus: Master Wizard Project; Grito de Favela; PESCOÇO; dentre outros trabalhos individuais. Em 2021, iniciou a série PELOTAS FANTÁSTICA, um conjunto de oito obras digitais que retratam de forma lúdica monumentos históricos da cidade de Pelotas, sua terra natal, valorizando a cultura e o turismo local.

Instagram: @fersoureira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s