,História & Fotografia

Por Hugo Ribeiro

Antigo prédio da Antarctica na Mooca, adquirido recentemente pelo Grupo Prevent Senior, do ramo de serviços de saúde
Antigo prédio da Antarctica na Mooca, adquirido recentemente pelo Grupo Prevent Senior,
do ramo de serviços de saúde

O texto seguinte foi publicado inicialmente em março de 2021 com a exposição virtual “O Êxodo Industrial e a Fotografia”, promovida pelo Comitê Brasileiro para Conservação do Patrimônio Industrial – TICCIH/Brasil, com fotografias de Hugo Ribeiro – integrante do Coletivo Desvio Particular –, realizadas graças ao apoio institucional da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos – CPTM e de outros entes. Apesar de haver encerrado o prazo do evento, o TICCIH/Brasil manteve a exposição em seu site: https://ticcihbrasil.com.br/desvio-coletivo-particular/. As imagens encontram-se reunidas no fotolivro “Paisagens Desidratadas: ensaio sobre a desindustrialização”.

O ESTADO DA ARTE, por Hugo Ribeiro

Não pretendemos atribuir significado às imagens que ora apresentamos, antes gostaríamos de pontar supostas correlações do nosso trabalho com outros e o contexto artístico no qual nos inserimos. Como registramos um processo de desindustrialização, começaremos por falar da industrialização do Brasil.

Poderíamos ter que as transformações na Colônia se iniciaram com a chegada da Família Real no Brasil (1808). Com a Independência política e com a integração do Brasil às relações econômicas internacionais, a modernização[1] setorizada, parcelar e pontual, ainda que complexa, do Estado Nacional brasileiro passa a transformar estruturalmente as relações socioeconômicas da sociedade mercada pelo estatuto colonial.

As processuais modernizações econômicas e a Independência repercutiram no plano superestrutural, intelectual e imagético, com produções que reclamavam o gentílico “brasileiras”, tanto pela origem quanto pelos assuntos – à guisa de exemplo, o romance indianista de José de Alencar, ainda no Império, e, já no século XX, a Semana de Arte Moderna[2]. Um dos símbolos do progresso foram as Estradas de Ferro[3] que passaram a ser edificadas na metade do século XIX[4] [5] – Guilherme Gaensly[6], Marc Ferrez[7], Frederic Manuel[8] e Militão Augusto de Azevedo[9] registraram a construção da São Paulo Railway. A fotografia, que também nasce da Revolução Industrial, desempenhou relevante papel com a produção de imagens do surgimento do urbanismo capitalista em meio ao ruralismo escravista. A São Paulo Railway, construída nas várzeas do Tamanduateí, cumpre papel relevante, mas não único[10], no processo de industrialização do Estado e de desenvolvimento econômico das demais cidades da região metropolitana, como São Caetano do Sul e Santo André, contíguas à capital.

No Século XX a fotografia avança e se estabelece no Brasil, acompanhando e respondendo ao desenvolvimento econômico do país. Surge o Foto Cine Clube Bandeirante[11], reunindo fotógrafos e entusiastas em São Paulo, concorrendo para a popularização da fotografia. Se pudéssemos, com risco de errarmos pela exagerada redução, escolher uma obra fotográfica que representasse a modernização do Brasil, escolheríamos a profícua produção de Hans Gunter Flieg[12]: quem fotografou de peças usinadas de emprego industrial a jarras de vidro para uso doméstico, galpões e fábricas, frotas de ônibus e o metrô, a cidade de São Paulo, a arquitetura modernista do MASP e do Ibirapuera, usinas hidroelétricas etc. O Museu de Arte Contemporânea da USP (MAC-USP), com coordenação Helouise Costa e Marcos Fabris, publicou o e-book “Modernismos em diálogo: o papel social da arte e da fotografia na obra de Hans Gunter Flieg”, do qual destacamos o seguinte trecho do artigo “Hans Gunter Flieg: vida e obra” de Sergio Burgi:

“A partir dos anos 1940, o trabalho de Flieg foi fortemente influenciado pela modernidade europeia, aliando o domínio na elaboração formal da imagem fotográfica a um absoluto controle da iluminação, da exposição e do processamento da película. Essas imagens extremamente elaboradas, produzidas em sua maioria como trabalhos comissionados, principalmente as fotografias de indústrias e de produtos, nos direcionam para um novo universo imagético, voltado para o “êxtase das coisas”. Nele, a fotografia passa a ser a ferramenta por excelência para o registro e a visualização dos objetos da sociedade industrial, bem como para suas subsequentes comercialização e circulação, já que a publicidade e a propaganda, especialmente a partir dos anos 1950, incorporaram maciçamente a fotografia a suas ferramentas.”[13]

Em que pese o auspicioso desenvolvimento do país, os brasileiros amargaram lastimáveis dias sob o regime militar após o golpe de 1964. Neste odioso período, centenas de homens e mulheres foram perseguidos, torturados e mortos, sob a alegação de oferecerem risco ao Estado, de serem “subversivos” – classificação ad hoc imputável a qualquer democrata e/ou opositor à ditadura burgo-militar. A gestão entreguista abriu as porteiras para o Imperialismo e reforçou a dependência do Brasil ante as potências internacionais – além dar causa à monstruosa inflação que pautou as políticas econômicas (neoliberais) das décadas de 80 e 90.

A indústria nacional teve seu apogeu no final da década de 1980, quando, em função de questões econômicas de ordem interna (medidas neoliberais, privatizações, políticas de estabilização monetária, custos de aglomeração etc.), externas (globalização, divisão internacional do trabalho, concorrência internacional etc.) e estruturais (dependência), a participação do setor secundário no PIB engolfa e daí em diante, nas décadas seguintes, se inicia a desindustrialização do país.[14]

Imóvel do antigo Moinho Santo Antônio adquirido pela Faculdade das Américas - FAM campus Mooca
Imóvel do antigo Moinho Santo Antônio adquirido pela Faculdade das Américas – FAM campus Mooca

O Estado de São Paulo, importante centro fabril do Brasil, é particularmente atingido pelos efeitos econômicos decorrentes das medidas neoliberais adotadas pelo Governo Federal e pela competição internacional. Com o encerramento de atividades produtivas de centenas de empresas, a desmobilização de galpões fabris, o aumento do setor terciário, a conversão de regiões produtivas em cidades dormitório etc., a paisagem urbana do que foi o maior polo industrial da América Latina é dramaticamente modificada.

Assim, surge a pergunta: a produção fotográfica tem acompanhado esse movimento de desindustrialização como registrou o desenvolvimento industrial no Brasil? Sim, mas não como em muitos outros países – sem qualquer julgamento sobre este fato.

Em uma entrevista dada a Ulf Erdmann Ziegler, Hilla Becher foi indagada se não achara estranho o interesse de Bernhard Becher por prédios industriais: “Aquilo me atraía também, eu só não sabia direito de que maneira.[15]” Essa mesma atração, da qual compartilhamos, tem se manifestado por todo o mundo de formas distintas.

A produção fotográfica, como as artes de um modo geral, responde a estímulos. Dada a precariedade da preservação do patrimônio industrial e o abandono, podemos colocar que estes estímulos, a “atração” pelas construções fabris, aqui e acolá, está vinculada ao “fascínio” pela ruína.

A categoria de ruína na fotografia é tão ampla e genérica, que pode compreender desde as fotografias de destroços de casas após a passagem de tempestades (Robert Polidori, com o trabalho “After the flood[16]”), a desmobilização de aparato bélico pelo desmonte da URSS (Eric Lusito, em “After the Wall: traces of the Soviet Empire”[17]), ou escombros de guerra (Kai Wiedenhöfer, em “The book of destruction: Gaza – one year after the 2009 war”[18]). Nos parece que a ruína, como sinais remanescentes de algo que já não mais existe, está atrelada ao fenômeno da transformação, da mudança.

As redes sociais desempenham um papel relevante na circulação e popularização das imagens de ruínas e escombros, seja de construções astecas, seja de cidade abandonada em virtude de acidente nuclear. No Instagram, plataforma na qual artistas amadores ou profissionais depositam suas fotografias, existem uma pletora de hashtags que classificam as imagens do abandono e a prática da exploração de lugares abandonados[19].

Aqui no Brasil, poderíamos citar o ensaio fotográfico de Ana Ottoni sobre as ruínas brutalistas, tema que foi analisado com profundidade em sua dissertação de mestrado[20], onde faz ricas considerações sobre a dimensão estética da ruína – o que nos demove do atrevimento de qualquer digressão sobre o assunto. Recomendamos a leitura. Mas, principalmente, o nosso trabalho se aproxima – tematicamente e não qualitativamente – do maravilhoso ensaio “A última aventura”[21] de Romy Pocz[22], quando capturou os vestígios da Fordlândia[23] – que, em alguma medida, está próximo do assunto do Detroitism – neste particular, poderíamos citar as fotografias de Yves Marchan/Romain Meffre[24] e Andrew Moore[25].

O cinema brasileiro também conseguiu capturar esse fenômeno. O filme “Ontem havia coisas estranhas no céu”, dirigido por Bruno Risas, é uma dramática representação do cotidiano de uma família de classe média baixa que vive no bairro da Mooca. De pano de fundo se tem o processo de reestruturação urbana, chaminés de barro entre prédios comerciais e residenciais, e a ocorrência de problemas urbanísticos como a privatização do espaço público e a desenfreada verticalização urbana. O filme se passa em um bairro industrial que foi convertido em residencial: no passado a Mooca tinha muitas fábricas e na região residiam milhares de operários, como registra a canção “Abrigo de vagabundo” de Adoniran Barbosa:

“Eu arranjei o meu dinheiro trabalhando o ano inteiro

Numa cerâmica, fabricando potes e lá no alto da Mooca

Eu comprei um lindo lote dez de frente e dez de fundos

Construí minha maloca”

Gostaríamos de discorrer sobre o cenário internacional e como os artistas estão representando as transformações e mudanças sociais, econômicas, arquitetônicas, e/ou culturais ao redor do mundo.

Imóvel de uma antiga fábrica convertida em estacionamento na Av. Industrial, via paralela à linha férrea, próximo à Estação Celso Daniel em Santo André
Imóvel de uma antiga fábrica convertida em estacionamento na Av. Industrial, via paralela à linha férrea, próximo à Estação Celso Daniel em Santo André

Neste momento, há um intenso movimento de fotógrafos registrando os prédios do Construtivismo na região da antiga União Soviética. Trabalhos não tão metódicos quanto às tipologias do casal Becher, mas igualmente documentais. Dentre os quais cito os trabalhos de Anya[26], hercúlea produção de fotografias sobre mosaicos e prédios soviéticos; Arseny Kotov[27], suas fotografias registram cidades abandonadas, monumentos socialistas, a simplicidade do cotidiano da vida urbana em meio às imponentes construções soviéticas; Daniel Corazón[28], as lentes do fotógrafo capturam estátuas, mosaicos, prédios do século XX, como pano de fundo da vida contemporânea do povo russo; Konstantin[29], suas imagens são, predominantemente, de edifícios construídos pelo Estado Soviético; Meau[30], o artista, ao isolar fachadas de construções da arquitetura construtivista ou do classicismo soviético, estátuas, ou outros imóveis do século XX, observando a simetria e a proporção, ou fazendo interessantes composições, cria maravilhosas imagens do legado socialista; e do querido Valeriy Remirov[31] – com quem trocamos informações sobre técnicas fotográficas e discutimos sobre arquitetura do Século XX –, quem, com apuro e rigor técnico, fotografa as linhas e as formas, as cores e as sombras, o interior e o exterior, de construções do modernismo russo ou mosaicos soviéticos.

Outrossim, referencio o monumental projeto “Socialist Modernism” desenvolvido pela BACU – Birou pentru Artă şi Cercetare Urbană (Departamento de Arte e Pesquisa Urbana), que tem registrado a arquitetura edificada na Alemanha Oriental, Bulgária, República da Moldávia, Romênia, Rússia, Sérvia, Ucrânia entre os anos 55-91[32].

A música e o audiovisual, por seu turno, também têm acompanhado esse movimento. Muitas letras de canções do que se convencionou chamar de “Sovietwave” – subgênero ou derivado do “pós-punk” – cuidam desse passado socialista, seja de forma saudosista, seja de modo crítico. O videoclipe da música “Volny”[33], da banda Молчат Дома (Molchat Doma), é um impressionante sobrevoo de drone sobre ruas, prédios, usinas, em Pripyat[34], uma cidade abandonada na Ucrânia – a capa do álbum, por sua vez, é uma construção modernista, o prédio do Hotel Panorama[35], projetado pelo vanguardista tcheco Zdeněk Řihák e inaugurado em 1970 na Eslováquia.

Em Portugal, temos as imagens de Gastão de Brito e Silva com o projeto “Ruin’arte”[36], onde o fotógrafo reuniu centenas e mais centenas de fotografias de construções (aproximadamente 1600 imóveis) abandonadas por todo o país. Na Bélgica, Christophe Van de Walle vem explorando palácios e palacetes abandonados por toda a Europa e criando imagens magníficas destes imóveis destruídos e tomados pela vegetação.[37]

Seja registrando a memória arquitetônica no Leste europeu, a opulência e a suntuosidade de um passado feudal, ou o abandono de uma cidadezinha na Amazônia por uma grande companhia automotiva, todas essas imagens capturam sinais remanescentes de algo que já não mais existe e estão intimamente atreladas ao fenômeno da transformação e da mudança.

Entendemos, modestamente, que nosso projeto de fotografar os sinais do processo de desindustrialização às margens da antiga São Paulo Railway está, mais ou menos, dentro desse movimento global que insuficiente e brevemente descrevemos – os trabalhos de pesquisa e de registros ainda estão em andamento.

Bem como, temos que os nossos impulsos têm origens distintas e que a nossa “atração” é específica e particular, estando intimamente vinculada à questão nacional, dentro de um contexto latino-americano e de um país dependente.

Um adendo político. Não fazemos coro àqueles que atribuem a causa da desindustrialização à luta sindical do ABC, ou que chamam direitos trabalhistas de jaboticaba, muito menos cerramos fileiras com liberais que simplificam problemas econômicos complexos e chamam as conquistas sociais de “custo Brasil”. Estamos em outras trincheiras.

Por fim, estamos convencidos que trazer a questão a dependência econômica por meio da fotografia, às vésperas do bicentenário da Independência política do Brasil, em última instância, é uma provocação à discussão política sobre a autodeterminação do povo brasileiro que só se dará com a independência econômica.

Imóvel do Moinho São Jorge em estado de abandono ao lado da linha 10 da CPTM
Imóvel do Moinho São Jorge em estado de abandono ao lado da linha 10 da CPTM

[1] “Por aí se vê que a modernização econômica associada à extinção do estatuto colonial e à implantação de um Estado nacional independente não tinha por fim adaptar o meio econômico brasileiro a todos os requisitos estruturais e funcionais de uma economia capitalista integrada, como as que existiam na Europa. Os seus estímulos inovadores eram consideráveis, mas unilaterais. Dirigiam-se no sentido de estabelecer uma coordenação relativamente eficiente entre o funcionamento e o crescimento da economia brasileira e os tipos de interesses econômicos que prevaleciam nas relações das economias centrais com o Brasil.” FLORESTAN, Fernandes. A revolução burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 6ª Edição. São Paulo: Contracorrente, 2020. P. 105

[2] Aproveitamos a ocasião para registrar o evento “1922: modernismo em debate”: ciclo de debates que iniciará em 29 de março e se prolongará até dezembro de 2021, promovido pela atuação conjunta entre a Pinacoteca de São Paulo, o Instituto Moreira Sales e o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo.

[3] “Essa lentidão foi abalada na década de 60 do século XIX quando, com surpreendente rapidez, a ferrovia, saindo do porto de Santos, deslizou quase de supetão pela íngreme Serra do Mar, acima e inundou o planalto com o seu tempo próprio, sua velocidade, sua nova espacialidade, a nova mentalidade que disseminava, a da pressa, a do chegar logo, a do não ter tempo, a de estar no mesmo dia em dois lugares antes separados por dias de cavalgada. O moderno que se arrastava ocultamente se tornou visível, máquina a vapor, equipamento, alterações no espaço, outra linguagem, outro modo de ser e ver-se. Tornou-se de fato o que já era sem poder ser: o temo regulado pelo custo e pelo lucro. O homem deixava de ser o condutor da tropa para ser conduzido como tropa.” MARTINS, José de Souza. A aparição do demônio na fábrica: origens sociais do Eu divido no subúrbio. São Paulo: ED. 34, 2008. P. 16

[4] Ao canto superior esquerdo da tela “São Paulo”, de 1924, de Tarsila do Amaral, se pode ver os trilhos da S.P.R. “A tela retrata a mais emblemática paisagem do espírito moderno da cidade de São Paulo na época, o Vale do Anhangabaú. É mais uma das telas da fase Pau-Brasil em que Tarsila mostra desta vez o Brasil urbano com a técnica cubista e as cores caipiras.” Fonte: http://tarsiladoamaral.com.br/obra/pau-brasil-1924-1928/

[5] O Decreto Imperial nº 1.759/1856 autorizou “a incorporação de huma Companhia para a construcção de huma Estrada de ferro entre a Cidade de Santos e a Villa de Jundiahy, na Provincia de S. Paulo”, a chamada São Paulo Railway. Fonte: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-1759-26-abril-1856-571236-publicacaooriginal-94323-pe.html

[6] Fotografias de Guilherme Gaensly:
“S.P.R. Estação Piassaguera” – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/955

“S.P.R. Estação da Luz” (i) – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/957

“S.P.R. Estação da Luz” (ii) – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/958

“S.P.R. Estação da Luz” (iii) – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/959

“S.P.R. Estação da Luz: Entrada” – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/960

“S.P.R. Estação da Luz: Restaurante” – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/961

“S.P.R. Alto da Serra” – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/774

“S.P.R. Viaducto na linha nova” – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/956

“Álbum Fotografias de São Paulo 1900 – Alto da Serra – São Paulo Railway” – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/1862

[7] Fotografias de Marc Ferrez:

“Estrada de Ferro São Paulo Railway – Estação da Luz” – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/7264

“Estrada de Ferro São Paulo Railway – Estação da Luz” –

http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/7263

“Serra de Santos” – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/7262

“Ferrovia São Paulo Railway – Ponte da Grota Funda – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/4753

[8] Fotografias de Frederic Manuel:

“São Paulo Railway Company: Alto da Serra” – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/4192

“São Paulo Railway Company: Grota Funda (as duas linhas)” – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/4193

“São Paulo Railway Company: Serra do Mar” – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/4194

“São Paulo Railway Company: Estação da Luz, vestíbulo” – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/4206

[9] Fotografias de Militão Augusto de Azevedo:

“Construção da Estrada de Ferro Santos – Jundiaí” –http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/2376

“Construção da Estrada de Ferro Santos – Jundiaí” – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/2375

“Raiz da Serra. Subida do primeiro plano inclinado” – http://brasilianafotografica.bn.br/brasiliana/handle/20.500.12156.1/2379

[10] “Não era apenas o fator isolado dos trilhos e das estações ferroviárias que atraíram as indústrias, mas também a disponibilidade de terras planas, amplas e baratas ao redor das estações e dos trilhos.
Vários autores comentam a ‘atração’ exercida pelas estações ferroviárias sobre as industrias paulistanas no final do século passado e começo deste. O que parece não ter sido evitado, por alguns autores, é a redução da explicação da ferrovia como um fator isolado na ‘atração’ da indústria no interior da cidade. Alguns autores não chegam a afirmar categoricamente que a ferrovia foi o único elemento atrativo, mas por ele ser predominante reduz-se muitas vezes a este único fator como assinala Pierre George: ‘ A ligação geográfica entre as empresas ferroviárias e a localização do estabelecimento industriais parece ser fundamental, nesta primeira fase do desenvolvimento industrial’ (…) ‘… numa segunda fase, a direção que prepondera sobre as demais, é aquela orientada pelo eixo da Estrada de Ferro Santos-Jundiaí, que abrange o parque da Mooca, São Caetano do Sul, Santo André e Mauá.’ As linhas férreas são citadas como os eixos principais de industrialização e norteador da expansão urbana na cidade de São Paulo e desta para outras cidades da região metropolitana como parece expor Monbeig: ‘Ao longo da via férrea o desenvolvimento do Parque da Mooca e da Vila Prudente atingiu a aldeia de São Caetano’.” LAURENTINO, Fernando de Pádua; ANDRADE, Margarida Maria de. Várzeas do Tamanduateí: industrialização e desindustrialização. 2002.Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

[11] Mais informações: https://fotoclub.art.br/historia/

[12] Mais informações: https://ims.com.br/titular-colecao/hans-gunter-flieg/

[13] Fonte: COSTA, Helouise; FABRIS, Marcos; FLIEG, Hans Günter. Seminário Modernismos em Diálogo: o papel social da arte e da fotografia a partir da obra de Hans Gunter Flieg. Seminário Modernismos em Diálogo: o papel social da arte e da fotografia a partir da obra de Hans Gunter Flieg[S.l: s.n.], 2015. P. 48 (http://www.livrosabertos.sibi.usp.br/portaldelivrosUSP/catalog/view/313/274/1172-1)

[14] O professor titular do Centro de Estudos de Desenvolvimento Econômico do Instituto de Economia da Unicamp, Wilson Cano, no artigo “Industrialização, desindustrialização e políticas de desenvolvimento”, afirma acerca dos acordos neoliberais firmados pelo Brasil: “Não adianta pensar em Economia apenas por um prisma técnico de formular uma determinada receita quando o problema é político. Se os governos, depois de 1990, venderam a alma ao diabo, ou seja, ao sistema financeiro; precisamos romper esse acordo. Mas é uma atitude muito complicada, pois quando se faz acordo com o diabo ele vai exigir a sua alma, depois de levar o fígado, o pâncreas. De todo modo, os horizontes políticos internacionais são dos piores.” Revista FAAC, Bauru, v. 1, n. 2, p. 155-164, out. 2011/mar. 2012; ISSN 2236-3424, V.1 N.2 Fonte: https://www.wilsoncano.com.br/artigos-publicados

[15] Fonte: https://revistazum.com.br/revista-zum-1/hilla-becher/

[16] Mais informações: https://steidl.de/Books/After-the-Flood-0915384748.html

[17] Mais informações: https://photoawards.com/winner/zoom.php?eid=8-21528-10

[18] Mais informações: https://www.theguardian.com/artanddesign/2011/jan/23/kai-wiedenhofer-book-destruction-gaza

[19] Selecionamos as hashtags com mais de cem mil publicações: #abandon #abandoned (8 milhões) #abandoned_addiction (600 mil)  #abandonedbuilding (700 mil) #abandonedafterdark (1 milhão) #abandonedcentral (300 mil) #abandonedplaces (4 milhões) #abandoned_junkies (1 milhão) #abandonedphotography (500 mil) #abandonedplaces (4 milhões) #all_is_abandoned (700 mil) #anonymousbando (300 mil) #batpixs_lostplaces (100 mil) #decay (3 milhões) #decay_explorers (400 mil) #forgottenplaces (600 mil) #global_urbex (200 mil) #ig_urbex (1 milhão) #kings_abandoned (1 milhão) #ruins (3 milhões) #savethedecay (600 mil) #the_urbex_institute (300 mil) #total_abandoned (600 mil) #urbex (9 milhões) #urbexartists (300 mil) #urbex_utopia (1 milhão) #welcometwoneverland (200 mil) #world_wide_urbex (200 mil)

[20] Dissertação de mestrado: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16136/tde-12122017-140505/publico/AnaLuciaBenedictoOttoni.pdf

[21] Mais informações: https://www.romypocz.com/work/a-ultima-aventura

[22] Mais informações: https://www.instagram. com/romypocz/

[23] Mais informações: https://www1.folha.uol.com.br/amp/ilustrada/2021/01/ford-deixa-o-pais-agora-mas-antes-abandonou-uma-cidade-inteira-na-amazonia.shtml, consultado em 10 de março de 2021

[24] Mais informações: http://www.marchandmeffre.com/detroit

[25] Mais informações: https://www.nytimes.com/2011/08/21/arts/design/andrew-moores-photographic-take-on-detroit-decay.html ou https://www.andrewlmoore.com/detroit

[26] Mais informações: https://www.instagram.com/ankaaaaaaaaaa/

[27] Mais informações: https://arseniykotov.com/

[28] Mais informações: https://www.instagram.com/dancorazon_23/

[29] Mais informações: https://www.instagram.com/kot_h/ ou https://www.instagram.com/brutalistbeton/

[30] Mais informações: https://indebuurt.nl/leiden/genieten-van/tof-9-x-leiden-door-de-ogen-van-fotograaf-modaser~104697/2/

[31] Mais informações: https://en.vnemirov.com/ ou https://www.instagram.com/v.nemirov_/

[32] Fonte: https://socialistmodernism.com/ ou https://www.instagram.com/_ba_cu/

[33] Mais informações: https://www.youtube.com/watch?v=-6G6AW7oApA

[34] Mais informações: https://www.google.com/maps/@51.4020795,30.0434785,3a,75y,23.6h,90.85t/data=!3m8!1e1!3m6!1sAF1QipOuRhAR-ASJ9zj-Z0BkYEFuAZxs4Sir3_4sggck!2e10!3e11!6shttps:%2F%2Flh5.googleusercontent.com%2Fp%2FAF1QipOuRhAR-ASJ9zj-Z0BkYEFuAZxs4Sir3_4sggck%3Dw203-h100-k-no-pi-22.516352-ya145.68736-ro-3.5754633-fo100!7i6720!8i3360

[35] Mais informações: https://hotelpanorama.sk/

[36] Mais informações: https://www.publico.pt/2015/11/27/p3/fotogaleria/ruinarte-imagens-de-um-pais-devoluto-385462

[37] Mais informações: https://www.artdecay.eu/gallery/ ou https://www.instagram.com/christophe _van_de_walle/

Agradecemos pela leitura do nosso ensaio.

,Sobre o autor:

Hugo Ribeiro de Paula e Silva, nascido em São Bernardo do Campo, é advogado e fotógrafo autodidata. Desenvolve trabalhos junto ao “Espaço Cultural Cuiabá 153” em Santo André/SP.

Em 2019 ganhou o “Prêmio Transatlântico de Fotografia – Lebenskunst: 100 Bauhaus”. No mesmo ano participou de exposição fotográfica no festival “Brasilien Trifft Berlin” na Embaixada do Brasil em Berlim com as fotografias vencedoras.

Em 2020 participou da exposição “Sala de Estar” promovida pelo SESC de São Caetano do Sul com duas fotomontagens. No mesmo ano participou da exposição “Xícara Proibida”, promovida pelo Cuiabá 153.

Em março de 2021 apresentou ensaio sobre a desindustrialização em exposição virtual promovida pelo Comitê Brasileiro para Conservação do Patrimônio Industrial (TICCIH/Brasil) chamada “O Êxodo Rural e a Fotografia”. É autor do fotolivro “Paisagens Desidratadas: ensaio sobre a desindustrialização”. Atualmente prossegue registrando o fenômeno econômico.

Instagram: @hugoribeirofotos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s